Os "faça" e os "não faça" da pipetagem

Nos tempos de faculdade, depois do primeiro semestre, sempre vinha a velha piada quando se errava uma análise: você precisa aprender a pipetar?

Bom, vou poupá-los desses detalhes da minha vida acadêmica, e mostrar alguns detalhes que passam desapercebidos quando estamos pipetando, e que muitas vezes não são ensinados profundamente, mas se feitos em um trabalho ou estágio, podem fazer muitos estudantes brilhantes passarem um pouco de mico.

Nesse texto não irei abordar os tipos de pipetas, ou a escolha de cada uma delas, isso pode ser encontrado em outro post aqui no site. Serão apenas demonstradas algumas técnicas para melhorar a precisão e exatidão de medidas volumétricas, divididas entre ações que não devemos fazer, e aquelas que devemos fazer.

Primeiro devemos aprender "os não faça", pois esses geralmente são os que geram perdas de qualidades de dados.


"Não faça"

  1. A manutenção (limpeza interna e calibração) deve ser realizada por empresas certificadas, salvo em condições técnicas que permitam sua realização, na dúvida consulte o fabricante da pipeta e veja as informações disponibilizadas.

  2. Deixar a ponteira mal encaixada, ou remove-la antes da total aspiração. Pode parecer um erro bobo, mas pode acontecer quando se troca muito a ponteira em curto espaço de tempo.

  3. Trabalhos muitos rápidos. O curto prazo e a pressa não ajudam muito a reduzir os erros.

  4. Não pré-enxaguar a ponteira. Dispense e aspire o líquido de volta ao recipiente original antes de aspira-lo e dispensa-lo no recipiente de destino.

  5. Pressionar e soltar o botão de maneira rápida. Algumas marcas ou modelos não funcionam 100% de sua precisão quando sujeitas a mudanças bruscas na força do botão.

  6. Ângulo incorreto da pipetagem. Mantenha a posição horizontal, onde o menisco (linha que marca a superfície do líquido dentro da pipeta) deve estar na mesma linha horizontal da visão do analista.

  7. Nunca pipetar com a boca. Nunca, nem mesmo água, isso é arriscado e ocasiona sérios acidentes.


"Faça"

  1. Para pipetas de volume micro, a imersão adequada é entre 1-2 mm, para volumes maiores esse valor deve ficar entre 3-6 mm.

  2. Quando pipetar, garanta que o ângulo seja o mais vertical possível, não ultrapassando 20°.

  3. Pratique um ritmo constante de pipetagem entre as amostras.

  4. Guarde a pipeta enquanto não estiver utilizando ao invés de segura-lá, porque o calor do corpo pode causar variações no seu volume.

  5. Use ponteiras de qualidade, e de preferência da mesma marca da pipeta.

  6. Utilize pipetas com grau o mais próximo do volume a ser medido.

  7. O fluxo de líquido deve ser o mesmo entre aspiração e dispensação. Não faça pausas, aspirando uma parte depois outra na mesma pipetagem, como também na dispensação.



Espero poder te ajudar a encontrar respostas para suas dificuldades com pipetas.

Não se estresse se você já cometeu alguns desses erros, pois todos nós precisamos de experiência e contribuição para nos tornarmos qualificados.

Bons estudos, e ótimas pipetagens!




#Laboratório #Pipetagem #Experimentos

0 visualização

©2020 por Ciência Exata.

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now